Três razões para cancelar um voo por questão de segurança

9990

Para quem é piloto, o pouso perfeito vem acompanhado do sentimento de dever cumprido e da expectativa pelo próximo voo. No entanto, os momentos que antecedem cada decolagem são dedicados a inúmeros preparativos, que envolvem a análise da rota, das condições meteorológicas, deslocamento até o aeródromo de partida, inspeção da aeronave, entre outros procedimentos. E, infelizmente, nem sempre é possível ouvir o tão esperado “decolagem autorizada”.

Apesar da frustração da tripulação e dos passageiros,  é essencial lembrarmos de que, quando se fala em aviação, a segurança deve vir sempre em primeiro lugar. Tão importante quanto saber as razões para não decolar, é ter a consciência de que esses fatores não podem ser negligenciados. Veja abaixo três condições que um piloto nunca deve tentar enfrentar, por mais que o voo seja importante.

Inconformidades de checklist ou inspeção

Ao contrário dos carros, as aeronaves não contam com um acostamento em suas aerovias e corredores visuais, impossibilitando uma parada em caso de pane seca ou de motor em pleno voo. Por isso, nunca subestime a importância da reserva de combustível, ou da queda excessiva da rotação do motor no cheque de magnetos.

Deterioração meteorológica

Não se importar com uma garoa pode até ser uma atitude válida para deixar seu casaco em casa, mas quando se trata de uma decolagem, a questão é bem mais delicada e deve ser levada a sério. Vale lembrar que TAFs são apenas previsões, e as condições meteorológicas podem mudar rápida e radicalmente. Os responsáveis pelo voo precisam dispor de alternativas para condições desfavoráveis. Mudanças bruscas no tempo podem fazer com que a velocidade dos ventos supere o limite operacional da aeronave, ou mesmo levar a uma repentina redução no teto ou visibilidade. Isso pode submeter a aeronave a condições IMC abaixo dos mínimos e, assim, aumentar o risco de não se obter contato visual com a pista no destino ou alternativa, uma das principais causas de acidentes fatais na aviação.

Condições psicológicas do piloto

Tão importante quanto as condições meteorológicas e as condições da aeronave é o fator humano. Possíveis problemas pessoais, noites mal dormidas e insegurança podem prejudicar a concentração e o correto julgamento do piloto, levando-o a tomar decisões indevidas, mesmo em condições normais de voo.

Saber o momento de dizer “não” e cancelar um voo também faz parte das atribuições de um piloto que preza pela segurança acima de tudo. Por maior que seja a frustação de abortar a missão, ela jamais superaria os prejuízos de uma decolagem que não deveria ter ocorrido.

E você? O que considera imprescindível antes de uma decolagem? Compartilhe conosco.

Confira na Líder Aviação os melhores serviços de aviação executiva. Siga-nos no InstagramFacebook e Twitter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *